Subscreva a nossa newsletter

Fazer um uso mais responsável do plástico é uma missão de todos nós.

Embarque connosco nesta jornada por uma vida mais sustentável.

 

Um ano de Pacto Português para os Plásticos

Todas as embalagens de plástico reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis. Portugal está cada vez mais próximo deste objetivo.

Em fevereiro de 2020, nasceu uma plataforma colaborativa com o propósito de travar a crescente poluição por plástico através do fomento de uma economia circular: o Pacto Português para os Plásticos (PPP)

Iniciou atividade com 55 entidades, entre as quais empresas dos ramos do retalho, da indústria e da gestão de resíduos, universidades, autarquias e associações ambientalistas, envolvendo assim agentes de toda a cadeia de valor do setor do plástico.

Hoje, um ano depois, o PPP conta com 97 aderentes que estabelecem metas conjuntas e definem um conjunto de ações para as alcançar, contribuindo cada um com o seu know-how.

Uma das metas principais é que 100% das embalagens de plástico sejam reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis.

Apesar da necessidade de plástico descartável gerada pela pandemia, de que máscaras, luvas e embalagens de take-away são apenas os exemplos mais visíveis, os esforços do PPP não estagnaram.

Num balanço à agência Lusa, Pedro São Simão, coordenador da iniciativa, diz que um dos grandes propósitos deste ano zero foi cumprido. Foi definida uma lista de plásticos de uso único a abolir (que se pode observar na imagem em baixo) e apontadas medidas a tomar nesse sentido. E há ainda outros plásticos de uso desnecessário ou problemático em estudo até 2022.

Plásticos a eliminar até 2025
Imagens: Pacto Português para os Plásticos

Acelerar a transição para uma economia circular para os plásticos

A 4 de fevereiro, dia do seu primeiro aniversário, o PPP publicou o “Roadmap 2025”, um plano estratégico para acelerar a transição para uma economia circular para os plásticos. Nele constam as metas definidas pelos grupos de trabalho do PPP, com identificação das etapas intermédias a atingir e apresentação de ações concretas que envolvem, por exemplo, atividades de investigação e desenvolvimento, introdução de mudanças nos produtos e embalagens, nos métodos de produção e logística, recomendações técnicas à tutela para regulamentação e incentivos à sustentabilidade, e iniciativas de comunicação e sensibilização destinadas tanto aos atores da cadeia de valor do plástico, como ao público em geral.

As cinco metas para 2025 são:

  • Eliminar os plásticos de uso único considerados problemáticos e/ou desnecessários;
  • Garantir que 100% das embalagens de plástico são reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis;
  • Garantir que 70%, ou mais, das embalagens plásticas são efetivamente recicladas, aumentando a recolha e a reciclagem;
  • Incorporar, em média, 30% de plástico reciclado nas novas embalagens de plástico;
  • Promover atividades de sensibilização e educação aos consumidores (atuais e futuros) para a utilização circular dos plásticos.
Metas para 2025 do Pacto Português para os Plásticos.
Imagem: Pacto Português para os Plásticos

“Vamos Reinventar o Plástico”

Em setembro de 2020, foi lançada a primeira fase do projeto “Vamos Reinventar o Plástico”. Explica Pedro São Simão que esta iniciativa precisa da colaboração de todos para ser bem sucedida, principalmente quando “as taxas de reciclagem têm caído nos últimos três anos”.

Para “agradecer ao consumidor” o seu empenho em prol do ambiente, o PPP vai atribuir três prémios no valor de 200 euros a fotografias que retratem boas práticas de reutilização de plástico. Saiba mais sobre o concurso aqui.

Esta campanha relembra que o propósito não é criar um mundo sem plástico, mas sim promover um uso mais consciente deste recurso. Trata-se de um material barato, versátil e muito útil. Substituí-lo por outros materiais nem sempre é eficiente nem no que toca a custos de produção nem em termos de energia gasta e impacto ambiental.

A solução passa por maximizar a vida útil dos objetos em plástico e, quando tal não é possível, reciclar.

O PPP é coordenado pela Associação Smart Waste Portugal e pertence à rede internacional de Pactos dos Plásticos da Fundação Ellen MacArthur, que reúne iniciativas similares de vários pontos do globo, permitindo uma troca de experiências entre geografias. 

O Continente, através do grupo Sonae MC do qual faz parte, foi a primeira empresa de retalho em Portugal a assinar o Global Commitment da Ellen MacArthur Foundation. Orgulha-se de ser um dos membros efetivos do PPP e promete continuar a honrar o compromisso de praticar e promover um uso mais sustentável do plástico.

Conheça aqui algumas das principais medidas adotadas em 2020 pelo Continente que têm permitido poupar toneladas de plástico virgem.