Simplesmente Desplastifica

Iniciativa portuguesa no âmbito do #PlasticFreeJuly.

A meio do desafio global #PlasticFreeJuly, fomos conhecer a iniciativa portuguesa Simplesmente Desplastifica, que incentiva a criação de “novas rotinas, mais simples e ecológicas”.

De um movimento, nascem outros. De valores e interesses comuns, unem-se cidadãos. Foi nesta base que Filipa Henriques, Helena Pedro, Inês Albergaria e Susana Freire se juntaram a Rute Gonçalves para trocar ideias sobre o que poderiam fazer no âmbito do Plastic Free July. Helena explica que todas estão no grupo Lixo Zero Portugal, no Facebook, e que quando Rute perguntou se alguém tinha “alguma ideia para se fazer por cá”, tanto ela como Filipa, Inês e Susana comentaram a publicação. “Pedidos de amizade aceites et voilà, grupo criado”, recorda. De Viana do Castelo (Rute) a Odemira (Helena), com a norte-americana Susana a viver em Portugal há apenas dois anos, mobilizar o país através das redes sociais não parecia, de todo, impossível.

“É um processo ao longo da vida”

Já todas conheciam o Plastic Free July e todas se preocupam em reduzir o plástico que utilizam no dia-a-dia durante todo o ano. Helena Pedro assume-se preocupada com o ambiente “desde pequena” mas admite que este processo, de eliminar o plástico, se dá “ao longo da vida” e que é “para uns mais curto” e “para outros mais longo”. Reconhece também que atualmente é muito mais fácil encontrar produtos alternativos, por exemplo na higiene pessoal, e que “isso é uma enorme ajuda na mudança”. Todas falam, com paixão, do amor que partilham pela natureza e que as faz, naturalmente, respeitar o ambiente e ter consciência da importância de manter um estilo de vida sustentável.

Helena Pedro quer “contagiar os outros com as preocupações ambientais e alterar rotinas”. Aos 29 anos, desempregada, efeito secundário da pandemia de covid-19, decidiu “arriscar e oficializar um serviço de educação ambiental para a sustentabilidade”. No caso de Susana Freire, “quis tornar a paixão pela vida cada vez mais sustentável”. Quando veio para Portugal com a família, há dois anos, criou a Silver Coast Soaps, marca de sabonetes e cosmética artesanal. Explica que “tudo é feito com óleos caseiros e produtos de Portugal” para ajudar, também, a economia.

Têm consciência de que “as mudanças não são fáceis” e há ainda pouca informação sobre alguns produtos e métodos alternativos e mais amigos do ambiente. “O facto de algumas mudanças não serem tão práticas” é uma “barreira à mudança”. Falam num “comodismo que é difícil de desfazer” e, por isso, mais do que incentivar as pessoas, é preciso compreender o que as impede de mudar.

Desplastificar por etapas

Durante o mês de julho, são lançados desafios, todas a semanas, através do Facebook e do Instagram. Da higiene à alimentação, incentivar a redução do plástico no dia-a-dia passa muito pela reflexão sobre o que podemos mudar e como. Rute Gonçalves explica que “mais importante do que as pessoas realizarem os desafios” é passarem por um processo de reflexão. “É mesmo muito importante que se questionem, duvidem” e que acabem por “encontrar um rumo com que se sintam confortáveis” e mais amigos do ambiente. Um rumo que deve ser encontrado individualmente: “O que resulta para uns não resulta para outros”, esclarece. Independentemente dos seguidores da página e dos participantes ativos neste desafio global, contam que “foi maravilhoso constatar que muitas mais pessoas partilham deste amor maior”. E deixam um apelo: “Ser amigo(a) do ambiente é muito simples. O mais sustentável é o que já existe.” Na verdade, explicam, “não é necessário nenhum investimento para ser mais ecológico(a)”. O mais difícil “é, sem dúvida, começar”. “Simplesmente Desplastifica” – fica o link e o desafio, independentemente do mês em que se decida começar.