Subscreva a nossa newsletter

Fazer um uso mais responsável do plástico é uma missão de todos nós.

Embarque connosco nesta jornada por uma vida mais sustentável.

 

Plástico Responsável Continente premiado

selo reconhecimento apee plástico responsáveç

Reconhecimento da APEE pelas boas práticas em Responsabilidade Social e Sustentabilidade.

A utilização responsável do plástico é um compromisso de todos. O Continente definiu a sua ação no âmbito da Estratégia para o Plástico batizando de Plástico Responsável Continente o conjunto de ações a que se propõe, entre as quais este site onde são visíveis todas as iniciativas. Os próprios conteúdos produzidos exclusivamente para esta plataforma apelam à ação conjunta para minimizar os efeitos nocivos do abandono do plástico na Natureza. A Associação Portuguesa de Ética Empresarial (APEE), no âmbito da Semana da Responsabilidade Social 2020, reconheceu o projeto como boa prática de Responsabilidade Social e Sustentabilidade numa cerimónia online que decorreu durante a tarde de 19 de novembro.

“2020-2030, a Década da Sustentabilidade” serviu de mote para a 15ª edição  da Semana da Responsabilidade Social, uma iniciativa da  APEE em parceria com a Global Compact Network Portugal. Até 20 de novembro, é possível assistir online a conferências e mesas redondas dedicadas a temas tão diversos como as smart cities, a ecologia, a sustentabilidade na saúde, o consumo e a produção sustentável.

Mário Parra da Silva, fundador da APEE, e Pedro Lago, da Sonae MC

“Necessitamos de criar um ecossistema circular para os plásticos. E para o fazer precisamos do contributo de todos. No Continente, continuamos muito empenhados na promoção de um uso mais responsável do plástico e prémios como estes motivam-nos ainda mais para continuar a fazer este caminho”, referiu Pedro Lago, Diretor de Projetos de Sustentabilidade e Economia Circular da Sonae MC durante a cerimónia.

O lançamento do projeto, a 22 de abril de 2019 – Dia Mundial da Terra -, marcou uma nova etapa na estratégia de atuação da marca, mas apenas na forma como as iniciativas do grupo – e outras, consideradas boas-práticas – são comunicadas ao público. O compromisso Plástico Responsável Continente, espelhado no site com o mesmo nome, já tinha sido reconhecido publicamente com uma Menção Honrosa atribuída pela Meios & Publicidade nos Prémios Comunicação M&P 2019.

“O que nos falta para mudar?” – diálogos para consumo e produção sustentáveis

Importa destacar uma das sessões do evento organizado pela APEE, promovida pela DECO, sobre consumo e produção sustentável e que contou com a participação de Pedro Lago, da Sonae MC. “O que nos falta para mudar?” serviu de base para um debate que procurou perceber de que forma produtores, retalhistas e entidades gestoras de resíduos estão a contribuir para conseguirmos padrões de produção e consumo mais sustentáveis. Inevitavelmente, as embalagens de plástico e o plástico desnecessário e descartável foram temas abordados.

No final, o moderador José Pinto, jornalista do Expresso, pediu aos intervenientes na conversa que respondessem de forma sucinta à pergunta principal. Para Susana Fonseca, da Zero, “falta coragem e visão” conjunta para que seja possível “construir um modelo diferente”. É, por isso, imperativa “a intervenção governamental” para que os dirigentes “apontem o caminho e proponham soluções.”

Mesa Redonda com Susana Fonseca da Zero, Ana Loureiro da EGF – Environmental Global Facilities, Pedro Lago da Sonae MC, Andreia Almeida da DECO e a atriz e blogger Joana Seixas. A conversa contou com uma intervenção inicial de Ana Tapadinhas, directora-geral da DECO, e foi moderada pelo jornalista do Expresso José Pinto.

Pedro Lago, da Sonae MC, recuou a 1985 e às primeiras lojas Continente para explicar que “depois de democratizarmos o acesso a bens”, hoje provenientes de todo o mundo, não é possível impedir, agora, esse mesmo acesso. O que a marca faz é, por exemplo, “assumir a origem dos produtos e recomendar a opção mais sustentável”. Apesar de o Continente estar alinhado com a mudança dos hábitos de consumo, Pedro Lago enfatiza o processo gradual e complexo que essa mudança implica. É por isso que, aos poucos, as lojas Continente têm disponibilizado cada vez mais opções sustentáveis como é o caso da reutilização dos sacos de fruta e legumes e do projeto-piloto que está a testar a possibilidade dos clientes trazerem as suas próprias caixas para os produtos de charcutaria e take-away.

Da parte da DECO, Andreia Almeida relembra que o facto de termos cada vez mais informação sobre sustentabilidade também provoca muita desinformação, pelo que é essencial “dar ferramentas para o consumidor ser mais exigente” com produtores, retalhistas e gestores de resíduos.

Ana Loureiro, da EGF, foi objetiva em apontar que, apesar dos “muitos planos”, falta “coordenação e ação” para pôr os planos em prática. Foi a atriz e blogger Joana Seixas que encerrou a conversa relembrando que, no dia-a-dia, “as pessoas precisam de experiência prática” no que respeita a boas práticas de sustentabilidade. Mudar paradigmas passa muito pela ação política, pela “coragem para inverter as coisas” e superar os meros “exemplos-piloto”, e também pela “introdução destes temas na educação.”