#BomParaPortugal: reveja todos os momentos do palco Sustentabilidade

Mega evento para celebrar Portugal com programação intensiva durante 6 horas.

Partilhar

Mega evento para celebrar Portugal com programação intensiva durante 6 horas.

Bom Para Portugal foi o mote escolhido pelo Continente para celebrar o que é nacional. Com vários eventos em simultâneo e transmissão em direto no Youtube e na TVI, o 10 de Junho foi assinalado com pompa e relevância. Neste artigo, partilhamos uma espécie de apanhado geral do que aconteceu no palco dedicado à sustentabilidade, com links para ver ou rever as conversas, entrevistas e workshops.

No arranque do Festival, uma reflexão sobre os desafios que teremos, no futuro, numa sociedade que está em constante mudança. A conversa moderada Marta Leite Castro teve como intervenientes Francisco George da Cruz Vermelha Portuguesa, Sandra Ribeiro da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, Luísa Schmidt do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e responsável pela coordenação do 2º Grande Inquérito sobre Sustentabilidade em Portugal e Mariana Silva da Sonae MC.

Aproveitar a “influência” social para partilhar mensagens sustentáveis é um importante contributo para mudar comportamentos. Catarina Barreiros, uma das convidadas da conversa que se seguiu, tem quase 77 mil seguidores no Instagram. Diariamente partilha dicas, boas práticas e alertas relacionados com a sustentabilidade.“A tripeirinha”, o nome pelo qual Sofia Manuel é conhecida nas redes sociais, também se tornou uma referência para milhares de pessoas que procuram saber mais sobre plantas. Ayalla Botto foi o outro convidado da conversa moderada por Ana Varela da TVI dedicada aos “influenciadores sustentáveis”.

Nem os “amigos patudos” foram esquecidos e os 30 minutos dedicados aos “Animais, parceiros de uma vida” passaram a voar.

Segundo dados da Comissão Europeia, um terço dos alimentos produzidos no mundo são desperdiçados. São várias as iniciativas do Continente para combater o desperdício alimentar. Pedro Lago, responsável pelos projetos de sustentabilidade e economia circular da Sonae MC, foi o pivot da Sonae MC para falar do compromisso neste âmbito. Hunter Halder, fundador do movimento comunitário Refood, falou sobre a missão de combater o desperdício canalizando os excedentes diários de restaurantes e cantinas para alimentar os mais carenciados. Vanda Serrumbia da Casa da Prisca e Iva Pires da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas também participaram na conversa moderada por Marta Leite e Castro que acabou por abordar a perspetiva mais social e de responsabilidade comum por combater este grave problema.

Um painel dedicado ao Plástico Responsável

“O plástico é um problema, é sabido”, mas “o que é que as pessoas ainda não sabem sobre o plástico que polui os nossos oceanos”? Foi assim que Maria João Rosa, jornalista da TVI, se dirigiu a Samantha Smith da Ocean Hope, um projeto dedicado à sensibilização para a poluição através de ações como limpeza de praia. Samantha começou por explicar o problema dos microplásticos, que, pela dimensão que têm e por se decomporem, “entram na cadeia alimentar” – e pode estar presente, até, na água que bebemos. E “o que podemos fazer para o eliminar na natureza?” – como disse a moderadora, a “pergunta para 1 milhão de dólares”. “Cada um pode contribuir, tendo consciência de que, enquanto consumidores, temos responsabilidade” e podemos reduzir o plástico desnecessário, relembrou a fundadora da Ocean Hope.

Ana Alves defendeu a perspectiva da Sonae MC, que é a da utilização responsável. “O problema é o mau uso e o uso em excesso, e isso deve travar-se na origem”, usando apenas o que é necessário. É por isso que a Sonae MC tem um manual de eco design das embalagens de marca própria, para reduzir ao máximo o plástico desnecessário, reutilizar sempre que possível e procurar perceber se há alternativas mais sustentáveis. Procurar que não seja “um ciclo fechado” e simplificar, se possível, o processo que cabe, depois, ao cliente. Por exemplo, criando iconografia própria com instruções para a correta reciclagem. “Coisas que parecem muito simples” mas que fazem toda a diferença, conforme explicou a responsável pela marca própria Continente. Também Diana Nicolau, da Lipor, e Susana Fonseca, da Zero – Associação Ambientalista, participaram no debate.

Sustentabilidade do planeta e vida eco-friendly

“O conhecimento científico deixa, há décadas, avisos a toda a Humanidade sobre as ameaças globais à sustentabilidade do planeta e grande parte do apelo tem sido potenciado pelos ativistas ambientais” foi a introdução feita por João Póvoa Marinheiro a “uma das vozes mais conhecidas e reconhecidas do país”, Eduardo Rego. “Uma cara que associamos à própria natureza”, brincou o jornalista, no início da conversa com o também fundador do movimento Loving the Planet.

João Póvoa Marinheiro seguiu a conversa com as convidadas Paula Nunes da Silva da Quercus, Ana Amaral da Sonae MC e as atrizes Ana Varela e Madalena Brandão sobre vida eco-friendly, partilhando algumas ideias de como o fazer.

Valorizar o que é nacional é pensar na sustentabilidade

“Made in Portugal” teve como convidados Vasco Portugal da Sensei, Inês Almeida da Type, Ondina Afonso do Clube Produtores Continente e com a atriz Marta Andrino.

Pensar e viver em comunidade

É essencial para o equilíbrio da sociedade tomarmos consciência do planeta e do impacto das nossas ações na natureza mas, para tal, é essencial pensar e trabalhar em comunidade, valorizando recursos e pessoas. “Crescer em comunidade” e igualdade de género intitularam mais dois interessantes debates.

Durante toda a tarde, a música nacional animou o festival:

https://www.facebook.com/TviOficial/posts/4332442696817037

David Carreira cantou a música oficial de apoio à seleção nacional de futebol e o festival acabou em beleza com Sofia Escobar a entoar o hino de Portugal acompanhada por uma orquestra.

WORKSHOPS

Workshop horta caseira sustentável com André Maciel da Hortas XL

Workshop sustentabilidade na cozinha com Catarina Barreiros

Artigos recentes

“Um dia para mudar os próximos”

Lisboa acolheu a National Geographic Summit 2022 para refletir sobre o “planeta possível”, com base na coexistência sustentável entre humanos e natureza.

Comentários

0 Comments

Faça um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Pin It on Pinterest