Lusodescente descobriu solução para os microplásticos

Aos 18 anos, Fionn Ferreira, irlandês de ascendência portuguesa, ganhou o grande prémio da Google Science Fair com um projeto para remover os microplásticos dos oceanos. Tem um planeta com o seu nome ( “prémio” de um outro concurso, promovido pela Intel) e é apaixonado pelo nosso.

“Precisamos não só de ter paixão pelo nosso ambiente, mas também de nos envolvermos mais e de acabar com maus hábitos”, Fionn Ferreira

Remover os microplásticos dos oceanos. Como?

Perguntamos a Fionn como surgiu a ideia para o projeto que apresentou na Google Science Fair e que tem sido notícia em todo o mundo: um sistema capaz de remover os microplásticos dos oceanos. Sobre o momento “eureka”, o jovem conta que encontrou “uma pedra na praia que tinha resíduos de óleo e pequenos plásticos presos a ela. Isso fez-me pensar em coisas polares e não polares que se mantêm juntas. Plásticos e ferrofluídos são ambos não polares, logo, atraem-se.”

Ferrofluído? Fionn explicou que “um ferrofluido é um líquido magnético, um óleo (no meu caso, óleo vegetal) com partículas de ferro suspensas nele”. “Este líquido magnético e atraído por ímanes e também atrai plástico, como eu mostrei com a minha experiência”. Basicamente, foi assim que Fionn percebeu que as micro partículas de plástico, demasiado pequenas para serem filtradas, podiam ser “atraídas” por ímanes e testou que conseguia reproduzir esse sistema em maior escala.

O projeto de Fionn Ferreira foi o grande vencedor da Google Science Fair

“Essencialmente adicionei fluídos de ferro à água contaminada. O ferrofluído atraiu as partículas de plástico e, em seguida, tanto o ferrofluido como os microplásticos puderam ser removidos aproximando um íman”, explicou Fionn. Testou o sistema milhares de vezes nos 10 tipos de microplásticos mais comummente encontrados nos oceanos e, em média, conseguiu remover 87% das partículas.

O vídeo que Fionn Ferreira apresentou para concorrer à Google Science Fair no qual explica o seu projeto

Quem é Fionn Ferreira?

Fionn vive na província de Cork, na Irlanda, e tem hobbies como qualquer jovem da sua idade: gosta de andar de caiaque, de nadar, de velejar e de tocar trompete. Mas, acima de tudo, é um apaixonado pela natureza. Diz que “na Irlanda, a natureza está muito perto dos nossos corações” e que “ficaria destroçado se isso desaparecesse” e as gerações futuras não chegassem a conhecer a Irlanda tal como é. Verde.

Especialmente para quem, como Fionn, vive imerso na natureza, as alterações climáticas e a poluição plástica são uma ameaça cada vez mais presente. Ao acompanhar de forma tão próxima as consequências da proliferação do lixo plástico, começou a pensar em soluções. “Precisamos não só de ter paixão pelo nosso ambiente, mas também de nos envolvermos mais e de acabar com maus hábitos”, a começar pelo uso excessivo do plástico.

Fionn Ferreira na Google Science Fair

Partindo da ação individual,  Fionn apela: “Todos nós precisamos de agir juntos. Deve ser uma ação comunitária em grande escala para termos um efeito. Eu acho que um dos maiores desafios é o aumento da população. Todos os dias a população global aumenta em 220.000 habitantes. Isso significa mais 220.000 carros, roupas, embalagens e muito mais a cada dia. Por muito que essas 220.000 pessoas sejam ecologicamente responsáveis, são mais 220.000 pessoas… por dia” e o planeta está a esgotar todos os seus recursos.

Fionn continua: “eu acho que cada pessoa deve olhar para a sua vida diária, olhar para o que pode melhorar facilmente e como pode fazer uma pequena diferença. Se fizer isso todos os dias, encontra sempre algo novo.”

E quanto ao futuro?

Sobre o futuro do projeto, depois da Google Science Fair já houve algumas propostas mas Fionn não pode falar, “é confidencial”. Quando concorreu, uma das motivações era partilhar a sua ideia e conhecer outros jovens com as mesmas motivações. Além, claro, da possibilidade de apresentar, aperfeiçoar e aplicar o seu projeto. Apesar de alguns problemas iniciais na construção do equipamento de teste e na extração em si, depois de ultrapassados e do reconhecido mérito da sua ideia, os obstáculos maiores, diz, serão “escolher os investidores e as empresas certas. E eu preciso aprender mais sobre Química. Acredito que o projeto está pronto para ser aplicado, vai manter-se “open source” para todas as empresas que o queiram usar e esperamos que seja posto em prática.

No email que trocamos, Fionn Ferreira não esqueceu a referência a Portugal e às suas origens: “Acho que este método também funciona com águas residuais. Projetei um sistema de fluxo contínuo para o tratamento de efluentes que é um excelente recurso para a limpeza de águas residuais domésticas e industriais que entram em rios como o Tejo”.

Em setembro, vai para a Holanda estudar Química. A sua referência é o químico britânico Michael Faraday. Assim como Faraday, que é tido como “um dos cientistas mais influentes de todos os tempos”, esperamos ouvir falar muito de Fionn Ferreira.