A longa expedição de Ellen MacArthur

Ellen MacArthur dá nome a uma das mais relevantes entidades mundiais para a promoção da Economia Circular mas a viagem da velejadora britânica por um planeta mais sustentável começou bem cedo, com o sonho de circum-navegar o globo.

DR.

Meses em alto mar, sozinha. O sonho de miúda de Ellen MacArthur era esse, circum-navegar o globo numa expedição solitária. Ela e o oceano, ela e o céu, ela e o mundo. Cumpriu-o pela primeira vez em 2001, com apenas 24 anos, numa viagem que durou 94 dias. Foi na Vendée Globe, a única regata de vela à volta do mundo feita solitariamente, sem parar e sem qualquer assistência. Ellen MacArthur foi a segunda a chegar, marcando assim a sua carreira como velejadora.

A paixão pela vela começou muito cedo, aos quatro anos, quando ia para o mar com a tia. Os livros sobre vela e a vontade de aprender a velejar fizeram-na começar a planear a concretização do sonho: de um barquinho estacionado no jardim a um barco a sério, Ellen MacArthur começou a dar cartas como velejadora. Aos 19 anos deu a volta à Grã-Bretanha, aos 21 a Rainha Isabel II nomeou-a Dama da Corte, foi considerada jovem promessa da vela em França, onde residia, e o presidente francês à altura, Nicolas Sarcozy, condecorou-a com a Legião de Honra. Para a velejadora, depois da Vendée Globe, o próximo desafio era voltar a circum-navegar o globo sozinha… e em menos dias. Conseguiu bater o recorde mundial em 2004 com uma viagem de 72 dias.

DR.

Dias, semanas, meses. Sozinha. Com recursos finitos, o pensamento sobre a gestão dos mesmos transformou-se facilmente numa reflexão profunda sobre os escassos recursos do planeta.  A partir daí, a circum-navegação de Ellen MacArthur transformou-se numa missão, no mar e na terra: se os recursos são escassos, vamos trabalhar em conjunto por um mundo mais sustentável? Desde 2010 que a Fundação Ellen MacArthur promove a Economia Circular através de acções de sensibilização e de acção efectiva, com o apoio de parceiros governamentais, industriais e académicos. Re-pensar o processo económico é poupar o planeta e, metaforicamente, prolongar a viagem dos recursos. E a nossa.

“A Fundação tornou-se uma das líderes globais de pensamento, inserindo a economia circular na agenda de tomadores de decisão em empresas, governos e na academia. Tem como objetivo inspirar uma geração a repensar, redesenhar e construir um futuro positivo através da estrutura de uma economia circular.”